poema · Poesia · Poetry · Uncategorized

O beija-flor no outono

outono

O beija-flor está na estação de Outono,
Bailando no ar,
Procurando sua flor para beijar,
Quiçá, ele a encontre,
Senão, vai ficar contemplando
Às folhas secas, caindo devagarinho,
Na mais pura mansidão.
Seja na brisa suave da manhã,
Com seu sabor de maçã,
Ou no aconchego da tarde.
Enquanto isso;
A natureza cumpre seu rito,
Cheia de encanto e beleza com seus ciclos de
Renascimentos e transformações.
Vai aguardar sua amada rubra flor,
Renascida, brotada com toda singeleza,
Em outra estação…
Mas verdadeiramente, a encontrará,
Em seu secreto jardim…
O pulsante coração.

Elias Akhenaton.

poema · Poesia · Poetry · Uncategorized

O beija-flor no outono

beija flor no outono

Manhã outonal. O beija-flor, no galho,
Parado, chora de saudade da sua flor.
Caem folhas secas do pé de carvalho,
Dourando o chão, com a sua bela cor.

Oh passarinho, não chores! O trabalho
É da natureza, do supremo pai criador.
Contempla a alegria do mágico orvalho,
Que vem serenando, em graça e amor.

Encontrarás tua amada, noutra estação,
Em pouco tempo, a mudança vai passar.
Deus é perfeito, o ciclo é de renovação.

Alça teu voo com força e fé no coração,
E bate as asas em teu trepidante bailar,
Secando o pranto em tua doce canção!

Elias Akhenaton. 

Haikai · poema · Poesia · Poetry · Uncategorized

Haikai

beija flor triste outono

Galho sem flores
Na estação de outono –
Triste beija-flor.

Elias Akhenaton.

Poesia · Poetry

O beija-flor no outono

Colibri serrirostris

É manhã d’outono. O beija-flor; no galho,
Parado, chora com saudade da sua flor.
Voam folhas secas do pé de carvalho
Que caem, doirando o chão, d’única cor.

Oh passarinho, não chores! É o trabalho
Da natureza, do Arquiteto Deus criador.
Contempla a alegria do divino orvalho,
Que vem serenando, em graça e amor.

Encontrarás tua flor, em outra estação,
Porque esta mudança, logo vai passar.
Deus é perfeito, o ciclo é de renovação.

Vai, voa com força e fé em teu coração,
Bate tuas asas em teu trepidante bailar
E enxuga o pranto em tua doce canção!

Elias Akhenaton

outono5