poema · Poesia · Poetry · Uncategorized

Mensageiro da esperança…

Pescador de emoções

Sou viajante, buscando belas emoções.
Navegando nas águas arfantes do mar…
Que fica no coração com as inspirações,
Às vezes num céu azul, noutras ao luar.

Um nobre e valoroso cavaleiro, infante,
Galopando em terras distantes sem-fim.
Mensageiro da paz, amizade e amante
Da natureza; rios, florestas, tudo, enfim.

Inspiro-me no rei sol em sua nascente,
Nas colinas do oriente, ele é emblema,
Duma esperança que triunfa reluzente.

Sei que da senda, sou artífice, o tema,
O escultor, com o cinzel n’alma, ciente
Do labor, de entalhar a fé, como lema.

Elias Akhenaton. 

poema · Poesia · Poetry · Uncategorized

Coração em pedaços…

Homem com saudade

Oh minha amada! Por onde andas?
Estou com muita saudade, sentindo
A tua falta, do nosso jeito de amar,
No céu azul ou nas noites ao luar.

A terna flor que vivia em meu peito
Com as suaves pétalas despetalou.
Mas o doce perfume em mim ficou,
Impregnado, eternizado meu amor!

Eu que em tua companhia exalava
Alegria contagiante, hoje caminha
Por ai sem rumo; triste, moribundo.
Vagueando cabisbaixo, pelo mundo.

Volta amor, vem para junto de mim,
Vem florescer de novo, meu jardim.
Alumia minha alma, meus caminhos.
Acalma meu pranto, meu desalinho.

Se por acaso te magoei, perdoe-me.
Jamais feriria meu próprio coração,
Pois estás nele, por ti que ele pulsa.
Tu és a razão de ser, do meu viver!

Elias Akhenaton.

poema · Poesia · Poetry · Uncategorized

Celebre a vida!

woman in the field

Coloque para fora, todo desalento,
Reservado lá no fundo do coração.
Solte toda energia, aquela emoção
Que trás o nocivo, esmorecimento.

Atenua o desânimo, o abatimento,
A melancolia. Saia dessa condição.
Peça força a Deus, em uma oração,
Ele te dará o que precisas, o alento…

Untado pelo óleo e amor do Senhor.
Portanto, alegre-se, celebre a vida,
Ser grato ao pai, tu és um vencedor.

Mantenha a chama da fé aquecida,
Que fluirá de ti, cânticos de louvor.
Neles, toda a boa vibração vertida.

Elias Akhenaton.

poema · Poesia · Poetry · Uncategorized

Insensatez…

insensato

Um abraço antes do adeus, talvez,
O derradeiro em que eu vou sentir,
O teu corpo ao meu, tua branca tez.
Ainda que eu te ame, eu vou partir.

Não dá para viver nesta insensatez,
Nesse coração vil, que só sabe ferir.
Diz que ama, mas na sua estupidez.
O amor deve ser nobre, para existir.

Estás em meu peito, nele vais ficar.
Despeço-me agora. Ah, momento!
Mas meu amor por ti vai continuar.

Nele há sendas que não sei explicar,
Trilhas infindas, de um sentimento,
Que em mim ficou, só para te amar.

Elias Akhenaton.