poema · Poesia · Poetry · Uncategorized

O teu sorriso

Sorriso meigo

Quero teu sorriso aberto, sincero,
Irradiando minha alma de alegria.
Um semblante que tanto venero,
Musa da minha (e) terna poesia.

Ele é belo como um jardim florido,
E luz do sol alvorecendo no sertão.
Que curou um ser, outrora ferido,
Agora é vida – amor no coração.

Estou plenamente apaixonado,
Renovado por sentir algo assim.
Quero está sempre ao teu lado,
Ter você inteiramente para mim.

Farei tudo para te manter feliz,
E ter este sorriso em esplendor.
É tudo o que eu sempre quis,
Perfeita obra do Divino Criador!

Elias Akhenaton.

poema · Poesia · Poetry · Uncategorized

Marcas dos teus beijos…

beijo caliente

Teus beijos deixaram
Marcas em nossa noite de amor.
Ficou em minha boca
O gosto do teu sabor,
Gosto de desejo, de maçã.
No arrepio da pele…
Ardentes carícias,
Até o desabrochar das flores da manhã.
Em meu corpo teus
Lábios desenhados
Com a cor rubra do teu batom.
E, sobretudo;
Marcas inesquecíveis dos
Teus beijos foram
Gravados dentro do meu coração,
Em minh’alma, em meu viver.
Luz do meu alvorecer!

Elias Akhenaton.

poema · Poesia · Poetry · Uncategorized

Floresta Mística

Floresta mística

Viaja o meu peregrino pensamento,
Ao santuário zen da mística floresta.
Pairando como uma pluma ao vento,
Na terna paz que dela, se manifesta.

Quão sagrada e vital é a natureza!
Reflexo do Arquiteto Deus Criador.
Fonte imensurável de pura beleza,
Concepção do Pai, doador do amor.

Contemplo às espécies das matas
E o sublime canto dos passarinhos
Que aos arrebóis fazem serenatas…

Ainda as cachoeiras e suas cascatas,
Que a alma se enaltece de carinhos,
Evidenciando as inspirações inatas.

Elias Akhenaton.

poema · Poesia · Poetry · Uncategorized

Coração em pedaços…

Homem com saudade

Oh minha amada! Por onde andas?
Estou com muita saudade, sentindo
A tua falta, do nosso jeito de amar,
No céu azul ou nas noites ao luar.

A terna flor que vivia em meu peito
Com as suaves pétalas despetalou.
Mas o doce perfume em mim ficou,
Impregnado, eternizado meu amor!

Eu que em tua companhia exalava
Alegria contagiante, hoje caminha
Por ai sem rumo; triste, moribundo.
Vagueando cabisbaixo, pelo mundo.

Volta amor, vem para junto de mim,
Vem florescer de novo, meu jardim.
Alumia minha alma, meus caminhos.
Acalma meu pranto, meu desalinho.

Se por acaso te magoei, perdoe-me.
Jamais feriria meu próprio coração,
Pois estás nele, por ti que ele pulsa.
Tu és a razão de ser, do meu viver!

Elias Akhenaton.